Turismo deve levar homem de volta à Lua antes do previsto


Turismo deve levar homem de volta à Lua antes do previsto

Um anúncio nos últimos dias surpreendeu especialistas do setor aeroespacial. Em um momento de cortes drásticos no orçamento da agência espacial americana, a empresa Golden Spike Company, baseada no Colorado (EUA), apresentou plano para levar turistas à Lua até 2020.
Em entrevista ao Terra, o porta-voz da companhia, Robert Block, revelou que a startup buscará vender esse voos à Lua com satélites e outros instrumentos que já existem, comercializando apenas a execução do voo em si. “Os governos fazem missões científicas com robôs. Eles podem fazer o mesmo com pessoas a um preço mais baixo. É um mercado que está aí, e nosso projeto não é de engenharia – é de operação”, conta Block.
Para Nigel Bannister, astronauta e professor do Departamento de Astronomia e Física da Leicester University, não se trata de um blefe da Golden Spike. Conforme o pesquisador, a empresa foi fundada por Alan Stern, ex-oficial da Nasa, e Gerry Griffin, ex-diretor do Johnson Space Center da agência espacial americana, nomes com credibilidade no campo. “São funcionários de carreira da Nasa que não querem se queimar”, explica.
Bannister, no entanto, acredita que o anúncio de que chegariam antes de 2020 é um pouco otimista. “Existe uma grande dificuldade em levantar o dinheiro para isso. A China, que investe bilhões em futuras missões para a Lua, está prevendo uma chegada em 15 a 20 anos”, descreve o professor universitário, que prevê uma onda de dinheiro privado e terceirização no setor devido aos cortes na Nasa protagonizados pelo presidente Obama e o fim do programa Constellation.
Popularização espacial – Criador dos jogos de fantasia Ultima e Ultima Online, que revolucionaram o RPG em computador, Richard Garriott gastou boa parte de sua fortuna para viajar ao espaço. Em outubro de 2008, Garriott embarcou na espaçonave Soyuz TMA-13 para chegar à Estação Espacial Internacional. Assim, tornou-se o sexto cidadão privado a voar na órbita da Terra. Com o feito, seguiu os passos de seu pai, Owen Garriott, que completou duas missões espaciais em sua carreira como astronauta da Nasa. Atualmente, o desenvolvedor de jogos e vice-presidente do Conselho da Space Adventures, que vende voos tripulados na órbita do planeta, é um entusiasta da privatização das missões para fora da Terra.
Órbita da Terra ou Polo Sul? – De acordo com Garriot, um bom exemplo de ganho de eficiência se observa no programa espacial da Rússia, quase totalmente privatizado e 10 vezes mais barato do que o americano. “Em missões iguais levando robôs, o custo da Nasa é de centenas de milhões de dólares, enquanto que, na Rússia, a mesma coisa custa dezenas de milhões”, calcula.
O desenvolvedor de games projeta que os investimentos privados para as missões espaciais devem popularizar as missões turísticas, científicas e comerciais. “Há muitas e muitas empresas da área biológica que podem lucrar com isso. O desenvolvimento de vacinas pode ser beneficiado. Acredito que, nos próximos anos, será tão popular ir ao espaço quanto ir ao Polo Sul em missões científicas”, afirma.
Apesar dessa forte crença no empreendedorismo, Garriot acredita que as missões à Lua continuarão a ser muito caras nos próximos anos e que o investimento será mais segmentado a companhias que se interessem por minério.
Quanto custa? – Por enquanto, o turismo espacial ainda é para poucos. Um voo turístico para o espaço custa atualmente US$ 200 mil, segundo a Virgin Galactic (braço do conglomerado Virgin Corporation), que já comercializou passagens para 550 pessoas em voos sub-orbitais. As viagens levam aproximadamente duas horas da decolagem à aterrissagem. Os primeiros voos, no entanto, estão agendados para saírem apenas no fim de 2013.
Mas, conforme Garriott, dinheiro não é o único entrave para quem decide se aventurar no espaço. Sua empresa, a Space Adventures, vendeu, em 2011, uma passagem para a atriz e cantora britânica Sarah Brightman, que deve embarcar apenas em 2013. “Se você perguntar na rua, 80% das pessoas querem ir, mas o problema é tempo e dinheiro. Existe toda uma preparação e um treinamento que deve ser seguido à risca por segurança. As pessoas que podem pagar normalmente não têm esse tempo”, disse.
Garriott também é curador de um outro projeto no setor, o Google Lunar X Prize, uma parceria do gigante de buscas com a Shell para oferecer US$ 30 milhões a empresas que consigam levar um robô à Lua com 90% de investimento privado. “Está sendo incentivada uma maior eficiência no setor com esses investimentos e terceirizações. O Lunar X Prize ainda consegue aumentar a descentralização dos programas espaciais, possibilitando que mais coisas aconteçam também na Europa”, opina o professor Bannister.
Enquanto empreendedores de todo o mundo se mobilizam para popularizar as viagens espaciais, há uma crescente preocupação entre os críticos americanos. O temor é de que a terceirização do programa espacial dos Estados Unidos os leve a perder a liderança no setor para outros países. Paradoxalmente, à medida que o orçamento da Nasa diminui, mais gente vislumbra uma viagem à Lua. (Fonte: Portal Terra)

Ônibus com jardim no telhado: nova tendência quer diminuir poluição nas cidades





RSS
 Bus Roots
O designer Marco Antonio Castro Cosio teve uma grande ideia para sua tese de pós-graduação, na Universidade de Nova York: ele quer transformar os tetos dos ônibus que circulam pela cidade em jardins.
O projeto, batizado como Bus Roots, já deu as caras nas ruas por meio de um laboratório de ciência móvel, que viajou entre Nova York e Ohio. O conceito é muito parecido com uma atividade que virou tendência, a criação de jardins urbanos nos telhados dos prédios. 
Esse é um novo passo em direção a um mundo mais "amigo da natureza", pois muitos ônibus já circulam pelas cidades com combustíveis biodegradáveis, e essa seria uma nova maneira de tornar esse tipo de transporte ainda mais verde.
Ônibus com jardim no telhado
Segundo informações do Dvice, os Bus Roots também podem ajudar com o isolamento acústico, absorção do dióxido de carbono e também na redução de águas pluviais. A ideia também ajuda a influenciar as pessoas a perceberem que existem alternativas inovadoras para um mundo mais verde.
Além de deixar a cidade mais bonita e enfeitada, com as plantas alegrando as ruas por onde passam os ônibus, a "agricultura urbana nômade", como é chamado por seu criador, também pode trazer diversos outros benefícios para o mundo moderno.
Por exemplo, a vegetação pode ajudar a diminuir os efeitos da ilha de calor - fenômeno causado pela urbanização, que torna as áreas urbanas mais quentes.
Apesar de parecer algo surreal para a realidade do transporte público brasileiro, a ideia é agradável, não?

Substâncias Químicas Tóxicas em Telefones Celulares – Conheça os Modelos Mais e menos Tóxicos

Substâncias Químicas Tóxicas em Telefones Celulares

Tenho visto muitas pessoas falando sobre o iPhone 5, a indústria através da mídia incentiva o consumismo, essa é uma maneira indireta de combater a ecologia e acelerar os processos que degradam o meio ambiente, como a exploração de metais e do petróleo. Sem contar o “fator riqueza” que é um valor que é incorporado a alguns produtos para evitar que as classes menos abastadas possam adquirir esses bens. Você já pensou que a indústria pode estar te manipulando?

Se você prefere pagar o preço da ecologia  aqui está uma pesquisa que pode mudar seus padrões de compra.
Pesquisadores do Centro de Ecologia Ann Arbor em parceria com os gurus de tecnologia da Ifixit, testaram 36 celulares diferentes, incluindo os recém-lançados iPhone 5 e Samsung Galaxy S III.  Eles  mediram o quanto materiais tóxicos eles contêm, incluindo chumbo, bromo, cloro, mercúrio e cádmio, bem como outras substâncias tóxicas.

Motorola Citrus o  menos tóxico


O ecológico Motorola Citrus
O Motorola Citrus foi classificado como “telefone  menos tóxico”, seguido pelo iPhone 4S e o Remarq LG. O novo iPhone 5 ficou  em 5 º, melhor do que o seu principal concorrente, o Galaxy Samsung S III, que classificou em 9º. O telefone mais tóxico testado foi o iPhone 2G.

Destaques d  celulares testados contem riscos químicos.
  • Samsung teve a maior média de todos os telefones testados.
  • Apple, agora entre os líderes da indústria, mostraram as maiores melhorias. o iPhone 2G  introduzido em 2007 foi classificado como o mais tóxico telefone testado. Os dois telefones da Apple mais recentes, o iPhone  4s e iPhone 5, estão entre os melhores telefones testados.
  • Mais recentes são melhores do que os telefones celulares mais antigos . Classificação de produtos globais melhoraram significativamente (33%) desde 2007 .Isso reflete um maior enfoque na redução de riscos químicos pela indústria.
  • Transição para alternativas mais seguras está em andamento. principais fabricantes, incluindo a Apple, Sony, Samsung e outros começaram a mudança para materiais mais seguros e químicas.

Os 5 Telefones celulares extremamente tóxicos

iPhone 2G
Palm m125
Motorola MOTO W233 Renew
Nokia N95
BlackBerry Storm 9530

Os 5 Telefones celulares menos tóxicos

Motorola Citrus
iPhone 4 S
LG Remarq
Samsung Captivate
iPhone 5
A lista completa dos rankings pode ser encontrada em HealthyStuff.org .

Os fabricantes estão tentando limpar seus produtos,  usando resinas menos perigosos, incluindo os copolímeros termoplásticos e poliamida para substituir o PVC em aplicações de cabeamento e outros  Querem evitar  a necessidade de cabeamento através de um design simplificado,  usando monitores de LCD sem mercúrio, vidro sem arsênico,  etc
Como notas HeathyStuff.org , “Essas substâncias perigosas pode poluir durante todo o ciclo de vida do produto, incluindo, quando os minerais são extraídos, quando eles são processados, durante a fabricação do telefone, e no final da vida útil do telefone. Emissões durante eliminação e reciclagem do. telefones como lixo eletrônico, ou “e-lixo”, são particularmente problemáticas. Minérios como estanho, tântalo, tungstênio e ouro usado em telefones celulares tem sido associada ao conflito na República Democrática do Congo “.


Ao comprar um telefone celular não é apenas sobre como o impacto de materiais tóxicos que você pessoalmente vai se contaminar tem que despertar sua atenção, mais sim o impacto sobre todo o planeta. Pense na sua saúde e na saúde ambiental.


Ler mais: http://www.vidasustentavel.net/meio-ambiente/substancias-quimicas-toxicas-em-telefones-celulares-conheca-os-modelos-mais-e-menos-toxicos/

Como Jogar Fora seus Remédios – Descarte de medicamentos Ler mais: http://www.vidasustentavel.net/gestao-de-resíduos/como-jogar-fora-seus-remédios-descarte-de-medicamentos/

Como Jogar Fora seus Remédios
Como jogar fora os Remédios em desuso, sobras ou vencidos? Essa é uma duvida muito comum, nunca descarte medicamentos no lixo de sua casa ou em vaso sanitário, isso contribui para a contaminação da água e do solo, causando grandes riscos para o meio ambiente e para saúde humana. Verifique se sua cidade ou governo estadual tem serviço de coleta de medicamentos.

Não dê remédios para amigos. Médicos prescrevem medicamentos com base em sintomas específicos de uma pessoa e seu histórico médico. Um medicamento que funciona para você poderia ser perigoso para outra pessoa.
Segundo Pesquisa da faculdade Oswaldo Cruz, 70% dos consumidores descartam os medicamentos vencidos no lixo comum. Nas cidades e estados que tenham o serviço de UBS como São Paulo, os seus medicamentos e remédios, podem ser descartadas nas unidades básicas de saúde (UBS), elas são postos médicos onde o descarte dos medicamentos e remédios podem ser realizados.

Descarte de medicamentos

Um exemplo que vem crescendo é o serviço para descarte de medicamentos do programa Descarte Consciente, que até hoje já recebeu 23 Toneladas de medicamentos. O Programa Descarte Consciente visa coletar os medicamentos em desuso ou fora da validade, o objetivo é evitar que os remédios sejam descartados incorretamente pela população.


Ler mais: http://www.vidasustentavel.net/gestao-de-residuos/como-jogar-fora-seus-remedios-descarte-de-medicamentos/

Brasil detém segunda maior área florestal do planeta


Brasil detém segunda maior área florestal do planeta

06/12/2012 - 10h10
FONTE :Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - O Brasil tem 516 milhões de hectares de florestas, o equivalente a 60,7% do território nacional, ficando atrás apenas da Rússia. A informação consta da pesquisa Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (Pevs), divulgada hoje (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Esse total de 516 milhões de hectares de florestas é composto por áreas destinadas a reservas extrativistas e de desenvolvimento sustentável, terras indígenas, áreas de proteção dos recursos hídricos e do solo, de conservação da biodiversidade em unidades de conservação federais e estaduais, de produção madeireira e não madeireira em florestas nacionais e estaduais e florestas plantadas, de proteção ambiental e áreas ocupadas com florestas.
O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) estima que 31% da superfície terrestre do planeta sejam ocupados por florestas habitadas por 300 milhões de pessoas. Delas dependem, de forma direta, 1,6 bilhão de seres humanos e 80% da biodiversidade terrestre.
Para promover ações que incentivem a conservação e a gestão sustentável de todos os tipos de florestas, a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou 2011 o Ano Internacional das Florestas.
A iniciativa teve o objetivo de conscientizar a sociedade da importância das florestas, alertando que a sua exploração de forma inadequada acarreta, entre outras consequências, a perda da biodiversidade e o agravamento das mudanças climáticas.
No Brasil, o Ministério do Meio Ambiente promoveu vários eventos, enfocando a conservação, o manejo e o desenvolvimento sustentável.

Edição: Juliana Andrade

Conta de luz deve cair 16,7% em média; brasileiro sentirá queda em março


Conta de luz deve cair 16,7% em média; brasileiro sentirá queda em março

O governo prevê que a conta de luz ficará, em média, 16,7% mais barata no ano que vem, informou o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, nesta terça-feira (4). Essa queda será sentida pelo consumidor brasileiro em março, segundo o diretor-geral da Aneel, Nelson Hubner.
 A redução ficou abaixo da promessa  de redução média de 20% feita pelo governo. No primeiro anúncio em rede nacional de TV, a presidente Dilma Rousseff detalhou que a queda seria de 16,2%, em média, para os consumidores residenciais e de 28%, em média, para o setor produtivo.
Segundo Zimmermann, 100% das concessões de transmissão com vencimento entre 2015 e 2017 foram renovadas antecipadamente, bem como 60% das de geração.
As empresas que concordaram com a proposta do governo assinaram os novos contratos hoje, em Brasília.

Queda de braço política

O principal obstáculo ao plano do governo federal para baixar a conta de luz veio das estatais estaduais Cesp, Cemig e Copel, de São Paulo, Minas Gerais e Paraná –Estados administrados pelo PSDB, principal partido da oposição ao governo federal.
As três optaram por não prorrogar os contratos de suas hidrelétricas nos moldes propostos pela União –com redução em torno de 70% da tarifa–, o que dificultou a meta de reduzir a conta de luz em 20%.
Zimmermann disse que a opção de Cesp, Cemig e Copel de não renovar as concessões de hidrelétricas penaliza também a população desses Estados, e que as companhias olharam apenas para o curto prazo.

O que as concessões das elétricas têm a ver com a conta de luz mais barata?

Na véspera do feriado de 7 de setembro, a presidente Dilma Roussef anunciou que aconta de luz ficaria mais barata para consumidores e empresas a partir de 2013. A medida era uma reivindicação antiga da indústria brasileira para tornar-se mais competitiva em meio à crise global.
Para conseguir baixar a conta de luz, o governo precisou  ” mudar as regras dojogo” com as companhias concessionárias de energia, e antecipou a renovação dos contratos que venceriam entre 2015 e 2017. Em troca de investimentos feitos que ainda não tiveram tempo de ser “compensados”, ofereceu uma indenização a elas.
Algumas empresas do setor elétrico ofereçeram resistência ao acordo, alegando que perderiam muito dinheiro.
Desde o anúncio de Dilma, as ações de empresas ligadas ao setor passaram a operar em baixa na Bolsa de Valores, e algumas chegam a acumular queda de mais de 40% em dois meses.Com isso, o setor elétrico, que era historicamente atrativo por ter resultados e dividendos estáveis ou crescentes mesmo em crises econômicas, passou a ser alvo de desconfiança de investidores desde então no mercado acionário brasileiro.

Estados negam questão política

Mais cedo, o secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, negou que exista guerra do governo paulista com o federal, afirmando que a Cesp tomou uma decisão empresarial.
“A Cesp não vai participar desse processo. Não podemos aceitar essa defasagem de R$ 5 bilhões”, disse Aníbal.
Ele se referia à diferença entre a indenização proposta pela União para os ativos não amortizados das usinas de Ilha Solteira, Jupiá e Três Irmãos, de R$ 1,8 bilhão, e a contabilidade da Cesp, de cerca de R$ 7,2 bilhões a receber.
A Cemig disse em comunicado ter recusado renovar suas concessões das usinas de geração porque não poderia garantir a operação sustentável dos ativos, caso aderisse às condições contratuais de prorrogação estabelecidas pelo governo federal.
“Os contratos impõem às empresas toda a responsabilidade em função de problemas de operação, danos ambientais e outros”, disse o presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais.
“Isso significa que, mesmo tendo realizado um grande esforço no sentido de reduzir os custos operacionais, não temos como assumir o compromisso contratual de garantir uma operação de forma sustentável”, acrescentou.
Embora não tenham renovado suas concessões de geração, Cemig e Copel prorrogaram os contratos de transmissão de energia.

o que e húmus



As minhocas, organismos que aumentam a fertilidade do solo, auxiliando na ciclagem da matéria.
Húmus é o produto resultante da matéria orgânica decomposta, a partir do processo digestório das minhocas, formando uma compostagem natural, agregando ao solo os restos de animais e plantas mortas e também seus subprodutos.

Através da ação de microrganismos (bactérias e fungos), associados ao trato digestório compartimentados desses anelídeos (boca, faringe, papo, moela, intestino, ânus), os detritos são macerados contra as partículas de terra também ingeridas, sendo parte dos nutrientes absorvidos e a outra inaproveitada, eliminada juntamente com a finíssima granulometria dos minerais.

Assim, o húmus é considerado o mais completo adubo, apresentando as seguintes características físico-químicas: não possui cheiro (inodoro), uma substância asséptica, rico em micronutrientes (ferro, boro, cobre, zinco, molibidênio, cloro) e macronutrientes (potássio, nitrogênio, fósforo), além de possuir textura macia em razão da granulometria das partículas do solo (silte e areia).

Diante dessas propriedades, a formação do húmus (chamado humificação) repõe os minerais no solo, corrigindo a debilidade de nutrientes proporcionalmente às necessidades dos vegetais, tornando a terra mais estável e apropriada para as mais diversas culturas, ou seja, um excelente fertilizante.

À medida que as minhocas se deslocam, escavando galerias nas camadas dos substratos, promovem além da assimilação da matéria orgânica, condições para que haja penetração de gases da atmosfera (arejamento do solo), e infiltração hídrica juntamente à percolação de elementos químicos. Aspectos esses fundamentais ao desenvolvimento de uma planta, realizando absorção de água, nutrientes e também respiração através das raízes.

Pelo ponto de vista apresentado, as minhocas e outros seres vivos representam um papel biológico muito importante nos ecossistemas, auxiliando na ciclagem da matéria, tornando disponíveis os elementos químicos às relações ecológicas.
Por Krukemberghe Fonseca
Graduado em Biologia
Equipe Brasil Escola

Reciclagem de Vidro


Reciclagem de Vidro

O principal componente do vidro é a sílica, é possível fazer vidro só com a fusão da sílica. Boa parte dessas matérias primas é importada ou provém de jazidas em franco esgotamento.

fonte:http://ambientes.ambientebrasil.com.br/residuos/reciclagem/reciclagem_de_vidro.html


O vidro é uma mistura de areia, barrilha, calcário, feldspato e aditivos que, derretidos a cerca de 1.550°C, formam uma massa semi-líquida que dá origem a embalagens ou a vidros planos. O principal componente do vidro é a sílica, é possível fazer vidro só com a fusão da sílica. Boa parte dessas matérias primas é importada ou provém de jazidas em franco esgotamento. Além destas substâncias, existem pequenas quantidades de outras impurezas derivadas da matéria-prima, por exemplo, óxido de ferro, além de outras que podem ser adicionadas intencionalmente de acordo com a qualidade do vidro, por exemplo, corantes (metais como o ferro, cobalto, cromo e manganês). 

Existem vários tipos de vidros, dentre eles:
  • Vidro soda-cal (vidro comum): 90% do vidro fabricado.
  • Vidro borosilicato (contém óxido de boro). Ex.: Pyrex.
  • Vidro de chumbo (contém óxido de chumbo). Ex.: Cristal.
  • Vidros especiais (fórmulas especiais).
  • A temperatura de fusão do vidro varia com o tipo.

q
Na reciclagem do vidro, o caco funciona como matéria-prima já balanceada, podendo substituir o feldspato que tem função fundente, pois o caco precisa de menos temperatura para fundir. Os cacos devem ser separados por cor (transparente, marrom e verde). O vidro comum funde a uma temperatura entre 1000oC e 1200oC, enquanto que a temperatura de fusão da fabricação do vidro, a partir dos minérios, ocorre entre 1500oC e 1600oC. Nota-se assim que a fabricação do vidro a partir dos cacos economiza energia gasta na extração, beneficiamento e transporte dos minérios não utilizados. A economia de energia é a principal vantagem do processo, em termos econômicos, pois reflete na durabilidade dos fornos.

O Brasil, no entanto,  só recicla 14,2% do vidro que consome, o restante ficando em algum lugar na natureza por tempo indeterminado.


Classificação de sucatas de vidro
RecicláveisNão - Recicláveis
Garrafas de bebida alcoólica e não alcoólica (refrigerantes, cerveja, suco, água, vinho, etc)Espelhos, vidros de janela e box de banheiro, lâmpadas, cristal
Frascos em geral (molhos, condimentos, remédios, perfumes e produtos de limpeza)Ampolas de remédios, formas, travessas e utensílios de mesa de vidro temperado
Potes de produtos alimentíciosVidros de automóveis
Cacos de embalagensTubos de televisão e válvulas

Os cacos de vidro são conduzidos para a indústria de vidro que irá utilizá-los como matéria-prima na fabricação de novas embalagens de vidro. O material é fundido em fornos de altas temperaturas junto à matéria-prima virgem (calcário, barrilha, feldspato, entre outros). O vidro reutilizado (ex.: embalagens) é enviado para novo envase de produtos na indústria.
Fonte: ABIVIDRO

Resíduos Industriais


Resíduos Industriais

São considerados resíduos sólidos industriais os resíduos sólidos e semi-sólidos que resultam da atividade industrial.


Inclui os lodos provenientes das instalações de tratamento de águas residuárias, aqueles gerados em equipamentos de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d´água, ou exijam, para isto, soluções economicamente inviáveis, em face da melhor tecnologia disponível.
As decisões técnicas e econômicas tomadas em todas as fases do trato dos resíduos industriais (manuseio, acondicionamento, armazenagem, coleta,  transporte e disposição final) deverão estar fundamentadas na classificação dos mesmos.
Com base nesta classificação serão definidas as medidas especiais de proteção necessárias em todas as fases, bem como os custos envolvidos.
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) editou um conjunto de normas para padronizar, a nível nacional, a classificação dos resíduos:
- NBR 10004 - Resíduos sólidos                    - Classificação
- NBR 10005 - Lixiviação de resíduos             - Procedimento
- NBR 10006 - Solubilização de resíduos         - Procedimento
- NBR 10007 - Amostragem de resíduos         - Procedimento
Este conjunto de normas está bastante completo e permite a qualquer interessado a classificação de resíduos.

Resíduos Sólidos Industriais - Trabalho elaborado pelo corpo técnico da CETESB

Reciclagem de PET no Brasil


Reciclagem de PET no Brasil

A embalagem de PET quando reciclada tem inúmeras vantagens sobre outras embalagens do ponto vista da energia consumida, consumo de água, impacto ambiental, benefícios sociais, entre outros.



A introdução da embalagem de PET (polietileno tereftalato) no Brasil, em 1988, além de trazer as indiscutíveis vantagens ao consumidor, trouxe também o desafio de sua reciclagem, que nos fez despertar para a questão do tratamento das 200 mil toneladas de lixo descartadas diariamente em todo Brasil.

O polímero de PET é um poliéster, um dos plásticos mais reciclados em todo o mundo devido a sua extensa gama de aplicações: fibras têxteis, tapetes, carpetes, não-tecidos, embalagens, filmes, fitas, cordas, compostos, etc.

A embalagem de PET quando reciclada tem inúmeras vantagens sobre outras embalagens do ponto vista da energia consumida, consumo de água, impacto ambiental, benefícios sociais, entre outros.

A reciclagem de qualquer material pode ser dividida em:
  • Coleta
  • Seleção
  • Revalorizaçã
  • Transformação

A etapa de transformação utiliza o material revalorizado e o transforma em outro produto vendável, o produto reciclado. A etapa de revalorização realiza a descontaminação e adequação do material coletado e selecionado para que possa ser utilizado como matéria prima na indústria de transformação.
q
A etapa de Coleta/Seleção é que representa o grande desafio da reciclagem do PET pós-consumo. Milhões de dólares são gastos em logística, distribuição e marketing para que no final das contas, nós consumidores compremos produtos embalados em PET e levemos até nossas casas.

Nós fazemos a última etapa da distribuição levando-os dos supermercados e lojas até nossas casas. Somente nas regiões metropolitanas do Brasil são 15 milhões de domicílios, 50 milhões de pessoas e 6 bilhões de embalagens de PET todo ano. O correto equacionamento da logística reversa das embalagens pós-consumo é que vai viabilizar a reciclagem de diversos materiais inclusive o PET.

A logística reversa é o processo pelo qual o material reciclável será coletado, selecionado e entregue na indústria de revalorização. Isto gera um grande empasse, de quem é que paga a conta da logística reversa, não é a indústria de embalagens, nem a indústria dos produtos embalados e nem a prefeitura. Somos nós, eu, você e toda a sociedade seja como contribuinte ou seja como consumidor. Hoje pagamos uma conta maior por não termos uma logística reversa adequada, como é provado nos países como EUA, Austrália, Japão e toda Europa.

Conforme estudos realizados na USP o Brasil deixa de economizar 6 Bilhões de dólares/ano por não reciclar os materiais presentes nas 200 mil toneladas de lixo gerados todos os dias. Ainda não estão contabilizados os custos de danos ambientais e sociais. Urgente é a elaboração de uma política nacional de resíduos sólidos, as ações estaduais e municipais para viabilização da logística reversa e o fortalecimento da indústria de reciclagem no Brasil.

As embalagens de garrafas plásticas para bebidas (PET) são ideais para o acondicionamento de alimentos, devido às suas propriedades de barreiras que impossibilitam a troca de gases e absorção de odores externos, mantendo as características originais dos produtos envasados. Além disto, são leves, versáteis e 100% recicláveis.

PET - Desenvolvido pelos químicos ingleses Whinfield e Dickson em 1941, o PET (polietileno tereftalato) é um material termoplástico. Isto significa que ele pode ser reprocessado diversas vezes pelo mesmo ou por outro processo de transformação. Quando aquecidos a temperaturas adequadas, esses plásticos amolecem, fundem e podem ser novamente moldados.

O PET possui algumas características, como:
  • absoluta transparência
  • grande resistência a impactos
  • maior leveza em relação às embalagens tradicionais
  • brilho intenso

Não é PET todos os plásticos que tenham sido fabricados através de outro processo que não o de sopro. Os mais comuns são: baldes, bacias, copos, cabides, réguas, apontadores, pentes, mangueiras, sacos, sacolas, potes de margarina, filmes de PVC, entre outros.

A embalagem PET é 100% reciclável. A embalagem entregue para a recilcagem deverá estar amassada, torcida, sem o ar e sem resíduos em seu interior. No caso de garrafas, colocar de volta a tampa de rosca bem vedada, para impedir a entrada do ar. Se a tampa não for de rosca, basta torcer ou amassar bem a embalagem. Este procedimento é necessário, pois ainda não existe amassador desenvolvido para compactar embalagens PET.

O processos de reciclagem do PET no Brasil é o mecânico, é o mais utilizado e o mais comum. O processo de reciclagem mecânica de embalagens plásticas para bebidas (PET) requer, em média, apenas 30% da energia necessária para a produção de matéria-prima.

A reciclagem do PET tem muitos benefícios, como:
  • redução do volume de lixo coletado, que é removido para aterros sanitários, proporcionando melhorias sensíveis no processo de decomposição da matéria orgânica (o plástico impermeabiliza as camadas em decomposição, prejudicando a circulação de gases e líquidos);
  • economia de energia elétrica e petróleo, pois a maioria dos plásticos é derivada do petróleo, e um quilo de plástico equivale a um litro de petróleo em energia;
  • geração de empregos (catadores, sucateiros, operários, etc.)
  • menor preço para o consumidor dos artefatos produzidos com plástico reciclado aproximadamente 30% mais baratos do que os mesmos produtos fabricados com matéria-prima virgem.


Diversos produtos podem ser produzidos a partir da reciclagem do PET, como:
  • Indústria automotiva e de transportes - tecidos internos (estofamentos), carpetes, peças de barco;
  • Pisos - carpetes, capachos para áreas de serviços e banheiros;
  • Artigos para residências - enchimento para sofás e cadeiras, travesseitros, cobertores, apetes, cortinas, lonas para toldos e barracas;
  • Artigos industriais - rolos para pintura, cordas, filtros, ferramentas de mão, mantas de impermeabilização;
  • Embalagens - garrafas, embalagens, bandejas, fitas;
  • Enfeites - têxteis, roupas esportivas, calçados, malas, mochilas, vestuário em geral;
  • Uso químico - resinas alquídicas, adesivos.



Produção, Consumo e Reciclagem de PET no Brasil             
 Ano Produção  Consumo  Reciclagem  % Reciclado / Produção  % Reciclado / Consumo 
1997170 mil180 mil27 mil15,915
1998260 mil224 nil40 mil15,3817,9
1999295 mil245 mil50 mil16,920,4
2000340 mil272 mil67 mil19,7124,6
Fonte: ABEPET - 2001


Curiosidades:
  • 68% de todo refrigerante produzido no país é embalado em garrafas PET.
  • 1 kg de garrafas PET equivale : 16 garrafas de 2.5 litros ou 20 garrafas de 2.0 litros ou 24 garrafas de 1.5 litros ou 26 garrafas de 1.0 litro ou 36 garrafas de 600 ml. (Fonte: TOMRA/LATASA - Reciclagem S.A. )
  • A embalagem monocamada de PET, já utilizada por países como EUA e França, é aquela que permite que o PET reciclado entre em contato direto com alimentos e bebidas. Essa tecnologia é conhecida pela sigla URRC e é capaz de discontaminar PET pós consumo através de um sistema de superlavagem que assegura ao reciclado o mesmo nível de limpeza da matéria prima vrigem. No Brasil, ainda não há previsão para a fabricação desse tipo de embalagem multicamada de PET, ou seja, aquela que se assemelha a um “saunduiche”composto” de 3 camadas, sendo 2 de plástico reciclado, que nunca entra em contato com o alimento ou outro produto que emabala.

Fonte: CEMPRE